A prática do processo: as cinco fasesLa práctica del proceso

O processo espiritual que a Escola Rosacruz propõe desenvolve-se em dois âmbitos fundamentais:

  • Por um lado, na vida quotidiana, com toda a bagagem de experiências que ela envolve.
  • Por outro lado, nos Templos Rosacruzes onde se experimenta o contacto rítmico com a força espiritual

ENTRE AMBOS, A FILOSOFIA rosacruz actualiza o Ensinamento Universal e proporciona ferramentas para a sua compreensão e para a sua aplicação prática.

O caminho rosacruz é um processo alquímico de transmutação INTEGRAL, cujo resultado será o nascimento de um novo ser de Alma que transcende os valores e as limitações do ego e está unido ao Espírito Universal.

Como uma escada de cinco degraus, este processo apresenta cinco aspectos que se revelam PAULATINAMENTE e que se consideram imprescindíveis para a execução do objectivo:

  1. Discernimento.

O discernimento no caminho permite a compreensão directa das causas do estado de vida actual e das possibilidades de libertação das correntes da consciência.

As experiências da vida aliadas à intuição do coração despertam o interesse pela compreensão do desconhecido que move os fios da nossa vida concreta.

Para a Escola Espiritual, esta compreensão é, acima de tudo, um reconhecimento baseado na ressonância do ser interior com aquilo que percebe, escuta e capta no Ensinamento e na Aprendizagem Rosacruz.

A compreensão abre a porta até á fonte de sabedoria interior: o núcleo espiritual no coração.

  1. Anseio de libertação.

É o anseio por realizar aquilo que se compreende e provém da vibração do núcleo espiritual no coração, que despertou da sua latência. Exerce um efeito de atracção de força divina até ao próprio ser sem a qual não há transmutação.

O “toque” da força divina impulsiona para o conhecimento de si mesmo e fornece novas referências ao ser humano, permitindo que vislumbre as características de uma nova identidade, encorajando a renovação de toda a vida.

A intensa aspiração a uma vida superior facilita o desligamento progressivo da “consciência da massa” e o início do caminho até à liberdade do espírito.

  1. Entrega de si mesmo ao processo de mudança

Devido ao facto da consciência egocêntrica estar profundamente enraizada na natureza humana, é necessário desmascará-la e reconhecer todos os seus pormenores, tanto conscientes como subconscientes, para poder transmutá-la.

Graças à compreensão, ao anseio de transformação e à entrega, a disposição para a mudança, a consciência-eu abandonará paulatinamente o seu egocentrismo e dará espaço à consciência da alma nova.

  1. Novo comportamento de vida.

Quando o candidato, a candidata, se entrega ao processo de transformação, adapta a sua vida às necessidades do novo ser da alma, esforçando-se por harmonizar a vida interior e a vida exterior.

Os pensamentos – a actividade do santuário da cabeça – e os sentimentos, desejos e sensibilidade – actividades do santuário do coração – uniram-se de maneira coerente numa direcção e recebem a inspiração do Espírito.

Esta união dá lugar ao nascimento de uma nova vontade, que dirige a sua força de maneira não egocêntrica, propiciando um novo comportamento baseado no Amor.

  1. Nova consciência.

Como consequência de tudo o que foi referido, nasce a nova consciência e o ser humano é um portador de Luz que, unido ao Espírito, trabalha pela libertação da humanidade, a sua presença no mundo proporciona significado e renovação em todos os aspectos da vida.